aktuell
terragrafia
projekte
stromboli
jallikattu
vulkane
sumatra
segantini
puja
maka wakan
menabe
mission
london - paris
reis
arles (van gogh)
rarámuri
pirosmani
europa
songlines
terroir
shoa
sinai
eisfeuer
go west
amazonas
die schönsten
a concepcao
o lugares
as faces
as estórias
a viagem
o livro
o livro
a obra
kailas
afrika
aotearoa
london
amberger gelb
wein
salz
l'ocre
elefanten im schnee
todesstreifen
atlantis
dresden
værøy
terra di siena
die alpen
die berliner mauer
99 fotografien
installationen
ausstellungen
bücher
editionen
texte
galerien
links
vita
kontakt - impressum

amazonas - o livro

AMAZONAS

Um livro de artista


O projeto Terragrafia segue uma linha no maior sistema fluvial da TERRA e com isto passa por povoados com distintos povos e culturas na maior floresta tropical da TERRA.

Seguindo a corrente do rio Amazonas, do Rio Negro e de seus afluentes E.G. coletou a TERRA para as terragrafias a partir da água. Junto com os habitantes da regiăo ele escolheu locais que para essas pessoas tęm um significado espiritual, mitológico, cultural, histórico ou mesmo cotidiano.

Na expediçăo de 45 dias, E.G., acompanhado pelo francęs Jean-Philippe Beau-Douëzy, percorreu quase 8000 quilômetros em navios e barcos e coletou 51 amostras de terra.

Realizada no início de 2000, a viagem começou na Ilha de Marajó, no delta do Amazonas, onde se encontram restos de culturas de mais de tręs mil anos, e terminou na Venezuela, no Canal do Cassiquiare, um canal natural que une as bacias do Amazonas e do Orinoco. Este canal foi alcançado em 1800 ao mesmo tempo por Alexander von Humboldt e o botânico francęs Aimé Bonpland, que procedia do delta do Orinoco. Com isto Humboldt conseguiu a prova de que a ligaçăo natural entre o Orinoco e o Amazonas

realmente existe.


O livro contém todas as terragrafias originais, impressas manualmente pelo artista, portraits das pessoas que participaram da escolha dos locais de coleta da terra, fotografados por E.G., e 19 histórias de ribeirinhos gravadas digitalmente no próprio local. Elas foram transcritas em portuguęs e espanhol, e traduzidas para o alemăo e o inglęs.

A obra contém ainda trechos do diário de viagem do artista e um depoimento de Jean-Philippe

Beau-Douëzy.

O livro, com 384 páginas no formato 25 x 19 x 4 cm, foi criado pelo próprio artista, e para os textos foi utilizada a fonte Helvetica Light. Ele surgiu em maio de 2001, num total de 250 exemplares com numeraçăo arábica e outros 25 com numeraçăo romana, cada qual assinado e pintado pelo artista com TERRA do Amazonas.


250 EUR